5 de abril de 2010

Justiça e Política.


De quando em vez, algumas pessoas mais sensatas e mais informadas (o que equivale a dizer mais inteligentes) escrevem nos jornais coisas que vale a pena ler. Texto isento, claro, escorreito, directo e sem tibiezas, é o que hoje escreve Eduardo Dâmaso. Para quem quiser ler, deixo a ligação (clicar aqui).
Sem pretender beliscar, minimamente, a liberdade de expressão, aqui está um exemplo de imprensa livre!


3 comentários:

Teresa disse...

Olá Tony
Eu acho importante não sermos corporativos ao ponto de não sabermos olhar para nós e ver o que está mal. Eu vejo com muita clareza o que está mal na educação. Infelizmente, não me parece é que, na educação, como na justiça, na economia, etc, se esteja a avançar num caminho saudável, coerente, honesto, incorrupto, com algum futuro, enfim.
Bjs e ainda bem que está de volta.

Tony disse...

Olá Maria.
Obrigado pela saudação e pelo seu comentário.

Este post tem apenas por objectivo salientar que ainda há pessoas sensatas a escrever nos jornais, que não embarcam no "bota-abaixismo" que nos caracteriza.

Naturalmente tenho consciência das deficiências do sistema e não as nego.
Mas digo-lhe, sem corporativismos: a Justiça não está tão bem como devia, mas também não tão mal como por aí se apregoa.
Daí ter tido um especial gosto em ler este artigo.
O que está mal, afinal, é o País...

Não deixe de passar por aqui, vou ver se me torno mais presente!
Um abraço.

joao de miranda m. disse...

1. Isso, mais presença tua aqui na blogosfera. Precisamos todos de pessoas como tu a escrever para nós.
2. Segui o teu link e fui lá ler o Dâmaso. Não poderia estar mais de acordo.
3. Mas quero é abordar o teu post. Muitas vezes um bom post não tem que ser uma ideia nossa. Pode muito bem ser um simples endereço para uma coisa interessante que outros produziram. Mostrar ao mundo o bom que outros escrevem não é menos digno do que mostrar ao mundo as coisas boas que nós próprios escrevemos. Este teu post foi, pois, absolutamente oportuno. A boa blogosfera também se faz assim. Eu gosto.
Abraço.